sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Ocorrências

Ocorrência 2

O jovem deixou-se ficar calado, palavras para quê?, a formadora debitava toda a sua cartilha institucional: direitos humanos, cidadania, legislação, normas de conduta; olhou em redor e percebeu que os restantes colegas também não prestavam particular atenção ao discurso. Fixou os olhos na mulher, a única dentro da sala, para fingir interesse nas palavras ensaiadas – obviamente, ela nada saberia sobre a vida de um polícia. Conseguia imaginar o pensamento dos seus colegas, partilhavam códigos e obrigações por costume, sem burocracias. Continuaria a fingir prestar atenção às palavras ocas, faria os testes no final da semana, e terminaria a formação com uma classificação acima da média. Depois esqueceria tudo.

- Direitos humanos no exercício da profissão?
- Acha que um criminoso pensa nos direitos humanos?
- Esses gajos vivem como animais nos países deles, sabem lá o que são direitos humanos!
- Se estão no nosso país têm de saber a nossa língua, cumprir as nossas regras.
- E os nossos direitos humanos? Não contam?
- Essas leis são feitas por políticos que nunca andaram nestas ruas.

O professor terminou a sua prelecção, pousou os cartões na secretária, e olhou os estudantes, um silêncio avassalador preencheu a sala, esperou quase dois minutos até suspirar com ruído. Nada. Voltou-se e, de costas para os discentes, registou a palavra maldita no quadro, ao escrever a última sílaba percebeu, esperançoso, algum movimento na plateia. Nada feito. O silêncio persistiu. Amorfos, pensou, incapazes, zombies do admirável mundo novo; encarou-os sem piedade, já não conseguia sequer ser nostálgico, encolheu os ombros e continuou a debitar conteúdos – por momentos, fugazes e plenos de culpa, pensou que talvez tivessem nascido para ser escravos.

- O que achas das aulas?
- Por que perguntas?
- Não deve ser fácil, para alguém como tu...
- Alguém como eu? Não estou a perceber...
- Ouvir aquelas coisas sobre os escravos e sobre o racismo...
- Continuo sem compreender...
- Mas... tu és negro.
- E vivemos no século XXI. Eu não sou escravo.

O poeta tentou evitar o riso mas não foi capaz, os restantes ocupantes da sala ignoravam-no, continuou a rir sem se importar com o incómodo causado, as lágrimas saltavam-lhe dos olhos, em catadupa. A dona da casa deixou de falar para fitar o poeta, a sua expressão alterou-se, uma vermelhidão intensa cobriu-lhe o rosto e convidou o poeta ao silêncio. Ríspida. Ele deixou a sala para levar consigo as gargalhadas sonoras, os convivas regressaram à norma da dependência. Quando parou de rir, no parque de estacionamento, mãos apoiadas no tejadilho do automóvel, arquejante, o poeta não conseguiu evitar as lágrimas. Remorsos. Outra vez.

- Escreveu um livro, imagina!
- Enquanto esteve na clínica de recuperação?
- Ele já não escrevia há mais de dez anos e com as edições anteriores esgotadas...
- É bom?
- Vai ser um sucesso.
- Continua a escrever poesia?
- Ele diz que é a cura para todos os males, mas mantém os vícios.

M. Lisboa: 2016

Ilha de Santa Maria - Região Autónoma dos Açores (fotografia: dulcecor)

1 comentário:

  1. Your blog posts are more interesting and impressive. I think there are many people like and visit it regularly, including me.I actually appreciate your own position and I will be sure to come back here.
    lucky patcher l wings.io l geometry dash l launcher l sonic dash l minecraft l temple run 2

    ResponderEliminar